Seguidores

quinta-feira, maio 31, 2012

Vini, vidi, vinci

0

Nos diz a nova mãe dos burros, a Wikkipedia: Veni, vidi, vici (em português: "Vim, vi, venci") é uma famosa frase latina supostamente proferida pelo general e cônsul romano Júlio César em 47 a.C.. César utilizou a frase numa mensagem ao Senado Romano descrevendo sua recente vitória sobre Farnaces II do Ponto na Batalha de Zela. A frase serviu tanto para proclamar seu feito, como também alertar aos senadores de seu poder militar (Roma passava por uma guerra civil).

Na era pós-moderna ou seja lá qual for o nome que dá-se ao momento, as relações mais pessoais se perderam ao entrar no Facebook.Alguns dizem que a rede social aproximou gente que mal sabia se existir e até aumentou números de visitas a sites e blogs. Confesso não saber se isso é bom ou ruim, mas tenho algumas considerações a respeito.

Por exemplo, de uns tempos pra cá, nada que se faça – sem todos os amigos presentes – pode ser postado na tal rede social. A desculpa é sempre a mesma: não chamei todo mundo e fulano deve acabar chateado por saber que não foi chamado. O resultado é o não compartilhamento de um momento bom. E... oras! Pra que serve o facebook se não for para falar de nossas ações cotidianas?

Eu me desliguei do processo. Agora, estou pouco me lixando se vou a um jantar com uma amiga e ela, afinal foi ela quem me convidou, não chamar amigos em comum. Também pouco me importam as ligações de ‘vocês foram lá com cicrana e ninguém me chamou’? Isso é ridículo.

O melhor mesmo é continuar quem sou: escrevendo pouco, jogando muito e deixando aos que me largam em segundo plano as consequências de seus próprios atos. Porque eu, meu amor, não vou ficar choramingando quando minhas amigas foram tomar um chopp e não me chamaram. E isso se chama maturidade!

Darth J. Vader

Música de agora: Tô Fazendo A Minha Parte - Diogo Nogueira

0

Tô Fazendo A Minha Parte - Diogo Nogueira

Tô saindo pra batalha, 
pelo pão de cada dia,
a fé que trago no peito,
é a minha garantia,
Deus me livre das maldades, 
me guarde onde quer que eu vá, 
tô fazendo a minha parte, 
um dia eu chego lá.

Todo mês eu recebo um salário covarde, 
no desconto vai quase a metade,
e o que sobra mal dá pra comer,
sou pobre criado em comunidade,
lutando com dignidade, 
tentando sobreviver, 
quem sabe o que quer nunca perde a esperança não,
por mais que a bonança demore a chegar,
a dificuldade também nos ensina
a dar a volta por cima, 
e jamais deixar de sonhar 

Esclarecer ou desdenhar? Eis a provocação...

1


Por que não gosto de discutir futebol? Pra responder mais honestamente possível seria necessário retroceder alguns anos... 

Um dia preenchi o perfil correspondente àquelas pessoas que não discutem muito, e partem logo para os "finalmentes", falar a língua dos punhos, sacomé?
Mas, isso não ficava muito bonito pra uma menina.

Meu pai, muito machista, não admitia a única filha envolvida com futebol. Como sempre impus minhas convicções, a ele só restou fazer muita cara feia a me ver chegar com minhas primeiras contusões. As reproduzia quando comentava os escanteios, cruzamentos, bolas no ângulo, pênaltis e cobranças de faltas.

Eu jogava futsal e acredito que mulher não cava falta, mete o tênis nas canelas das "vacas" adversárias. E, chegar de salto alto e subterfúgio indispensável de intimidação. 

A prática mais anti-desportiva ainda é comemorar na cara das jogadoras do lado de la'... Minha especialidade.

No sul a disputa mais acirrada acontece entre dois times estaduais, apesar de ter outros dois em ótimas condições de disputa. O que não vem ao caso. Só pra constar o nível da "guerra" entre as torcidas, já deixei de azarar gatinho por ser torcedor do time adversário, não sou apenas gremista, sou anti-colorado. 

Com o tempo me desliguei do futebol. A última vez que derramei lágrimas apaixonadas pelo meu time foi numa disputa de pênaltis do Grêmio com o Emelec, se não me falha a memória, a dupla de ataque era Jardel e Paulo Nunes, e perdemos!

Como todas as minhas paixões depois de me decepcionar, perco o interesse. 

De volta as razões de não gostar de discutir futebol... Posso enumera-las dessa forma: 

1- A postura duvidosa da Fifa; 
2- Os sucessivos escândalos que envolviam jogadores;
3- O deslumbre da profissão. (Pode chamar de despeito, mas não são todos que precisam de estudo pra ganhar rios de dinheiro);
4- As Marias Chuteiras;
5- A tal mala preta dos árbitros (por falar nisso, saudades do juiz Margarida) com seu apito que causava, pura comédia; 
6- Os altos investimentos... Blá, blá tudo isso deixou o futebol arte de lado e sucumbiu ao capitalismo selvagem. Que hipócrita conclusão, essa minha! 

Hoje, quando assisto aos jogos concluo que antes era um esporte coletivo e passou a ser tratado como individual. Se vencedor o discurso se da': "o fulano passou para o cicrano que deu show de habilidade". Se perdedor "tem que mudar o técnico, não passaram a bola para o estrelinha que usa as marcas de seus patrocinadores porque as adora e não porque investem nele"...  

Isso sem falar nas técnicas de teatro que devem constar no currículo de qualquer jogador, sem o teatrinho na hora de cavar falta ou pênalti, não é chamado de profissional. 

Acho engraçado quando os entendidos no assunto criticam o futebol europeu e o tacham com esse ou aquele adjetivo depreciativo. Na boa, rio sozinha. 

Do auge da minha ignorância até assisto a alguma partida de clássicos europeus, se não tiver nada melhor pra fazer. Acredito que ainda haja nele a coletividade da qual sinto falta no futebol brasileiro, que já foi de Romário, Ronaldo Fenômeno e hoje é do Neymar. 

É por isso que não discuto futebol. 

Hellen Cortezolli

Poema de hoje: Norte das Águas

0

Norte das Águas - Por Bianca Andrade

Quando pensei que o amor virou dor
 Joguei-me ao rio-mar
No intuito de que o sal corroesse o doce

Depois de tantas oscilações, suas ondas viraram intensas marés
 Ecoavam sons que derrubavam folhas e matavam pássaros
 Nas ventanias de todo mês de Abril, outras no mês de Maio

Mas já é Junho, e o amor passa! 
- O amor passa?
Desculpe-me decepcionar, mas o que passa é a dor
 O amor é agridoce!
 E quando se é, transforma-se e te transforma...  Permanece! 

Não para em marés, não se afoga em ondas, nem morre na praia
É o norte das águas, da essência... Da preciosidade, cada vez mais rara!
Que transita do caos ao mais belo dos abstratos
Ladrilha caminhos e realinha toda e qualquer passagem
Em reais panoramas, surpreende com bonança.

Me larga!

0

Prefeito de Barra do Bugres segura reporter pelo pescoço

0
Durante uma competição esportiva, uma jornalista da Record tenta entrevistar o prefeito de Barra do Bugres, a reação dele foi meio estranha…

                                 Isso me lembrou um outro prefeito  metido  a esquentadinho. 

Fim de Tarde no Museu Sacaca apresenta a cantora Jô Freitas e a poetisa Hayam Chandra:

0

Mais uma programação especial foi organizada para esta quinta-feira, 31, no projeto "Fim de Tarde no Museu", na Praça do Pequeno Empreendedor Popular. As apresentações artístico-culturais do Museu Sacaca, elaboradas pela Coordenação de Eventos Culturais, estão voltadas ao público visitante de todas as idades.

O objetivo é valorizar e difundir a produção artística e cultural do Amapá enquanto patrimônio da cultura do povo amapaense, possibilitando ao público do Museu conhecer a música, a poesia e a gastronomia amapaense, interagindo com os artistas e produtores culturais.

Nesta quinta-feira, a animação ficará por conta da cantora Jô Freitas, que estará acompanhada pelo músico e compositor Ed Jaques, ambos do município de Santana, que interpretarão os grandes nomes da Música Popular Brasileira (MPB) e da Música Popular Amapaense (MPA). Na sequência acontecerão as performances poéticas da poetisa e declamadora Hayam Chandra.

O projeto "Fim de Tarde no Museu" acontece todas as quintas-feiras, das 17h30 às 22h, na Praça da Alimentação do Pequeno Empreendedor Popular, onde a poesia e a música amapaense se encontram para o deleite dos visitantes.

Nayara Cavalcante/Iepa

Findando Maio

0

quarta-feira, maio 30, 2012

Música de agora: A Promessa - Engenheiros do Hawaii

1

A Promessa - Engenheiros do Hawaii

Não vejo nada (o que eu vejo não me agrada)
Não ouço nada (o que eu ouço não diz nada)
Perdi a conta das pérolas e porcos que eu
cruzei pela estrada

Estou ligado à cabo a tudo que acaba de
acontecer

Propaganda é a arma do negócio
No nosso peito bate um alvo muito fácil
Mira à laser. Miragem de consumo
Latas e litros de paz teleguiada
Estou ligado à cabo a tudo que eles têm pra
oferecer

O céu é só uma promessa
Eu tenho pressa, vamos nessa direção
Atrás de um sol que nos aqueça
Minha cabeça não aguenta mais.

Tu me encontrastes de mãos vazias
E eu te encontrei na contramão
Na hora exata, na encruzilhada, na highway da
superinformação
Estamos tão ligados, já não temos o que temer

O céu é só uma promessa
Eu tenho pressa, vamos nessa direção
Atrás de um sol que nos aqueça
Minha cabeça não aguenta mais. 

Obrando e andando...

0


Sobre as críticas da "A Gorjeta" e de alguns sabidões, uso o velho adágio popular: "e e choro".

Programação do Centenário de Janary Gentil Nunes

0

Poema de hoje: Calmaria

0

Calmaria

Essa tua calma
que me acalma
E me consome o tempo
sem lamento
Pois no momento
do teu descanso
Após o alimento
e o teu balanço
Encontro a paz
que assim se faz
E que eu não sei
se viveria
Sem ter mais toda essa
calmaria.

- Navi Leinad -

Música de agora: Show de rock'n roll - Roupa Nova

0

Show de rock'n roll - Roupa Nova

Ela só se liga em astrologia e guerra nuclear
(E eu - Chopinho no bar)
Ela vive sempre estudando pra poder passar
(E eu - na areia do mar)
Viver pra ela é algo assim transcendental
Pra mim é o maior carnaval
Um show de rock'n roll - ôôô
Um show de rock'n roll
Ela nunca fuma e só come rango natural
(E eu - pimenta e sal)
Ela é iniciada em ocultismo e coisas do astral
(Pra mim é tudo normal)
Ela fala sempre em disco voador
E eu só quero mesmo é saber
De show de rock'n roll - ôôô
De show de rock'n roll
Mas na hora do calor
Ela me chama de meu amor
E eu respondo meu amor
No fim a gente só dá certo
Mas na hora do calor
Ela me chama de meu bem
Me faz sonhar no vai e vem
E o nosso caso é um sucesso 

Governador Camilo Capiberibe participa de inauguração da Casa do Agricultor em Ferreira Gomes

0


O governador do Amapá, Camilo Capiberibe, participou nesta quarta-feira, 30, no município de Ferreira Gomes, da inauguração da Casa do Agricultor. A obra foi executada pela Secretaria de Estado da Infra-Estrutura (Seinf). O investimento do governo estadual, por meio de convênio, foi da ordem de R$ 241.334,94, com contrapartida da Prefeitura da cidade no valor de R$ 59.241,23. O local beneficiará cerca de 1.030 produtores da região.

De acordo com o prefeito de Ferreira Gomes, Valdo Isacksson, na Casa do Agricultor os cidadãos que trazem seus produtos para comercializar na cidade farão suas refeições, como café da manhã e almoço, antes de retornarem às suas casas. O empreendimento beneficiará os agricultores das comunidades de Baixo Araguari, Barro, São Raimundo do Igarapé do Paulo, Terra Preta, São Tomé, Paredão, Caldeirão, Água Viva e Ferreirinha.

"Essa obra só é realizada graças à vontade política do governador Camilo Capiberibe, que todas as vezes me recebe no Palácio do Setentrião e atende aos nossos pedidos. Isso mostra o compromisso do governador com o povo de Ferreira Gomes", salientou o prefeito.

Conforme o titular da Seinf, Joel Banha, a infraestrutura do prédio conta com um salão composto por mesas e bancos coletivos, salas para repouso, banheiros coletivos e sala de administração. A Casa do Agricultor está localizada na esquina da rua Tiradentes com a avenida Luzia Serra Cavalcante.

O governador disse que são ações como essas que dão condições para o produtor rural trabalhar. "Temos que olhar pela agricultura. Essa obra mostra a sensibilidade e vontade política para com o povo do campo. Temos a obrigação de dar condições para o agricultor produzir e estamos fazendo isso. Essa infraestrutura dará suporte aos produtores de Ferreira Gomes, graças à parceria do Estado com o município", enfatizou.

Mais investimentos na agricultura em 2012

O secretário de Estado do Desenvolvimento Rural, Paulo Nunes, disse aos agricultores que o governador continuará apoiando os produtores e que o Programa Territorial da Agricultura Familiar e Floresta (Protaf) terá ainda mais investimentos ao longo da gestão de Camilo Capiberibe. A medida governamental visa fortalecer a agricultura familiar em todo o Amapá.

Durante seu pronunciamento, o governador disse aos agricultores que dobrará o investimento no Protaf. Camilo explicou que, no ano passado, o Estado investiu R$ 5,5 milhões na agricultura do Amapá. Ele disse ainda que em 2012 esse repasse será de R$ 11 milhões, o que dobrará o número de cidadãos beneficiados e os rendimentos do povo do campo.

"No ano passado, em 12 municípios do Estado, financiamos 1.046 agricultores por meio do Protaf. Desses, 51 somente em Ferreira Gomes. Em 2012, iremos dobrar o número de beneficiados, mas para isso é preciso que as associações estejam organizadas, pois assim será melhor para financiarmos e desenvolvermos a agricultura no Amapá. Apoiaremos os nossos produtores até que eles estejam aptos a caminhar sozinhos", garantiu o governador.

A opinião do agricultor

A agricultora Ednalva Ferreira, moradora da comunidade de São Tomé, que fica cerca de 20 quilômetros de Ferreira Gomes, agradeceu a medida. Segundo ela, a Casa do Agricultor é uma antiga demanda dos produtores das localidades que compõem o município.

"Agora temos um local adequado para fazermos nossas refeições e descansarmos. Anteriormente, nós ficávamos em casas de parentes e amigos, mas a Casa do Agricultor possui a estrutura para dar-nos o suporte necessário. Agradeço ao governador pela iniciativa", comemorou.

Elton Tavares/Secom

A eterna guerra dos sexos

0


                                                   É machismo, eu sei, mas ri. 


Fonte: http://mataleonebr.blogspot.com.br/

Piratas da Batucada lança enredo para o carnaval 2013

0


A Escola de Samba Piratas da Batucada lançará na próxima sexta-feira, 01 de junho, o enredo para o carnaval de 2013, na Cidade do Samba e em data especial e histórica para o Amapá, no dia em que se comemora o centenário do primeiro governador do estado, Janary Gentil Nunes.

O lançamento do enredo faz parte da programação oficial da comemoração do centenário de Janary e vai fechar uma extensa programação que vai durar o dia todo.

O Piratão vai enaltecer o Janary através de seus sonhos e amores, vai mostrar o Janary como governador e como pessoa, como um grande homem e amigo, além de um excelente chefe de família.

O evento terá como atrações o Casal Mestre Salas e Porta Bandeira do Piratão, além dos intérpretes Meio Dia da Imperatriz, Marcelo Zona Sul e Oderley, acompanhados da bateria da escola, “A Majestosa, Pura Cadência”.

Contatos:
Presidente Diretoria Executiva – Reginaldo França (96) 9115 – 1375
Diretor de Carnaval – Sergio Lemos (96) 9144 – 0075/ 8133 – 7980

Minha reação....

0


                                     Quando falam que o blog está "bombando".

terça-feira, maio 29, 2012

Governador Camilo Capiberibe concede reajuste salarial para as merendeiras e serventes do Estado

0

O governador do Amapá, Camilo Capiberibe, anunciou nesta terça-feira, 29, no auditório do Museu Sacaca, o aumento salarial de 5,24% para os trabalhadores da Caixa Escolar e da Unidade Descentralizadora de Execução (UDE) da Secretaria de Estado da Educação (Seed). E mais o acréscimo de 20% de insalubridade, no caso das merendeiras e serventes. A ação beneficiará 2.955 trabalhadores.

De acordo com o titular da Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Tesouro (Seplan), Juliano Del Castilo Silva, o acréscimo fará o salário das trabalhadoras elevar de R$ 840,00 para R$ 1.017,00. Já a secretária adjunta da Seed, Lucia Forlan, explicou que somente 14 trabalhadores não receberão o aumento de 20% da insalubridade, que é o caso de servidores que atuam na manutenção e porteiros.

O governador ressaltou que o reajuste valoriza e motiva o servidor. Camilo Capiberibe enfatizou que está, juntamente com a equipe de governo, trabalhando para atender os anseios dos funcionários do Estado.

"Valorizamos nossas merendeiras e serventes para que elas possam trabalhar motivadas e assim garantir o atendimento à população. Concedemos o reajuste e garantiremos a insalubridade, uma demanda antiga dos trabalhadores", avaliou Camilo Capiberibe.

Garantia de direitos e regularização da merenda escolar

O secretário Juliano Del Castilo enfatizou que a atual gestão está pagando dívidas das Caixas Escolares do governo passado. Ele pontuou que os débitos eram entraves que impediam repasses dos recursos destinados à merenda nas escolas da Rede Estadual. O governador explicou que, além do pagamento de dívidas das Caixas Escolares, o governo regularizará pendências judiciais da categoria.

"Pagaremos todos os direitos trabalhistas, uma dívida histórica do Estado para com esses trabalhadores. São aproximadamente R$ 10 milhões que serão pagos, em parcelas, a serventes e merendeiras, que é um direito desta classe. Por conta disso, quando o dinheiro da merenda escolar era repassado para as contas das escolas, a Justiça sequestrava. Passamos 2011 inteiro trabalhando nessa ação e agora conseguimos anunciar", garantiu o governador.

Valorização progressiva

O governador afirmou que está trabalhando para a melhoria salarial de todas as categorias, conforme a capacidade orçamentária do Estado.

"Queremos, dentro das condições do Estado, garantir a valorização progressiva de todas as categorias. Conseguimos acordos com as Polícias Civil e Militar, trabalhadores da Saúde, da Gestão e Administração e agora com os da Educação que atuam como serventes e merendeiras. E tenho certeza que até 2014, os nossos funcionários conseguirão muitas conquistas salariais", ponderou o governador.

O agradecimento do trabalhador

A servente Rosália Moreira, que trabalha no Centro Educacional do Amapá (Cepa), afirmou que o aumento e o pagamento da insalubridade é um sonho antigo da categoria. "Há muito tempo esperamos por este aumento, pois somos trabalhadores de baixa renda e, graças ao governador, agora temos uma melhora da nossa condição. Agradeço a Camilo Capiberibe por olhar pela nossa classe, que precisa tanto", comemorou a servente.

Insalubridade

A Insalubridade significa "ambiente de trabalho hostil à saúde, pela presença de agentes agressivos ao organismo do trabalhador, acima dos limites de tolerância permitidos pelas normas técnicas".

As merendeiras alegam que o fogo e outros elementos são perigosos na manipulação de alimentos. No caso dos serventes, o manuseio de produtos químicos os deixa aptos para receber a insalubridade.

Elton Tavares/Secom

Procuradora-Geral de Justiça ratifica Ação Cautelar que provocou a Operação Eclésia

0

A procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá, Ivana Cei, ratificou integralmente os termos da inicial da Ação Cautelar Inominada,  que provocou a Operação Eclésia deflagrada no dia 22 de maio,  assegurando  a continuidade das investigações 

A Operação Eclésia continuará apurando eventuais atos de improbidade administrativa na gestão da Assembleia Legislativa do Amapá, investigação de documentos como notas fiscais e folha de pagamento de funcionários, que já haviam sido requisitados pelo Ministério Público, mas não houve o atendimento por parte da AL.

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá

Contato: (96) 3198-1616. Email: asscom@mp.ap.gov.br

O Dia Nacional da Gentileza

0


Hoje, 29 de maio, é o Dia Nacional da Gentileza. O motivo da data é o seguinte: 

A data foi criada em homenagem a José Datrino, homem que percorria as ruas do Rio de Janeiro com sua túnica branca e barba longa espalhando palavras e atitudes gentis, que morreu em 29 de maio de 1996. Ele deixou como patrimônio histórico 55 painéis nas pilastras dos viadutos cariocas com suas “palavras de gentileza”. Entre elas está a frase “Gentileza gera Gentileza”.

Vocês têm o hábito de sorrir, cumprimentar as pessoas com quem convive ou tomar atitudes atenciosas com as pessoas? Eu tenho. 

São muitos “bom dia, boa tarde, boa noite, por favor, com licença, por gentileza, obrigado e desculpe” ao longo do dia. E é assim que tem que ser mesmo. Sem falar na tentativa de interagir de forma descontraída com as pessoas (nem sempre consigo). Quem me conhece sabe disso.

Admito, sou genioso, chato com horários e teimoso, mas educado, procuro tratar todos com respeito em qualquer ambiente social.  

Além disso, abraço meus familiares a e amigos, telefono pra saber como os que gosto estão, abro portas, cedo a vez, puxo cadeiras (quando lembro), entre outras coisinhas que colorem nossos dias e dos que convivemos. 

Ser gentil não dói e só traz benefícios pra quem exerce e para os que convive com você. Portanto, pratique a gentileza!

Fonte: Wikipédia.

Elton Tavares

Hadoken

0

FIEAP e SESI realizam no dia 2 de junho, a I Parada da Dança.

0

A Federação das Indústrias do Estado do Amapá (FIEAP), através do Serviço Social da Indústria (SESI) realizam no dia 02 de junho, a I Parada da Dança, em comemoração ao “Dia Internacional da Dança”. A concentração inicia as 08h, no Pátio da Escola Visconde de Mauá -SESI.

A Parada da Dança é um evento realizado pelo grupo de Ballet do SESI Amapá em conjunto com todos os grupos/companhias de dança do Estado visando a valorização desta arte. O projeto está sendo realizado em três momentos: 1º momento – Mobilização durante todo o mês de maio, durante as aulas de Ballet, na Escola Visconde de Mauá e em todas as casas do Sistema FIEAP, na imprensa, grupos e companhias de dança do Estado do Amapá; 2º momento – Exposição Fotográfica “Gente que Dança”na sala de dança do SESI - dia 01 de junho, no horário de 09h as 11h30 e de 15h as 17h30 – aberto a visitação pública; 3º momento - Parada da Dança, uma mobilização que percorrerá as seguintes vias: Rua Leopoldo Machado, Av. Diógenes Silva, Rua Jovino Dinoá, Av. Feliciano Coelho, Av. Desidério Antônio Coelho, onde serão distribuídos folders informativos referentes as atividades do SESI-AP.

A Arte

A Dança/Ballet, segmento das artes cênicas, é um dos maiores responsáveis pelo aquecimento, crescimento e fortalecimento da economia da cultura, em ascensão em todo o país. A Dança tem feito parte da cultura através da história. A economia da cultura tem importância fundamental para garantir que a cultura seja reconhecida como investimento e não despesa. Investimento em valores, em criatividade, na imagem do país internamente e no exterior e na geração de emprego, renda e inclusão socioeconômica. Modalidade presente em escolas, clubes, academias por sua diversidade técnica, apresenta-se como uma atividade completa capaz de proporcionar benefícios físicos, morais, estéticos, plásticos e éticos, dentre outros. O devido reconhecimento foi conferido através da criação do Dia Internacional da Dança e vem sendo celebrado no dia 29 de abril. A comemoração foi introduzida em 1992 pelo Conselho Internacional de Dança – CID (uma organização interna da UNESCO, para todos os tipos de dança). A data comemora o nascimento de Jean-Georges Noverre (1727-1810), o criador do balé moderno.

SESI – provendo soluções para a Indústria.
COMUNICAÇÃO SISTEMA FIEAP – 3084/8826

Feliz aniversário, Fernando Canto!

1

Hoje (29), é aniversário do escritor, compositor, poeta e sociólogo Fernando Canto. Parafraseando Vinícius: o branco mais preto do Laguinho, bairro de Macapá que ele adora descrever. O “Barba”, como o chamo carinhosamente, é um amigo que admiro. Costumo brincar dizendo que, se um dia eu escrever 25% do que ele escreve, estarei realizado como jornalista. 

Funcionário da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Fernando também faz parte do Grupo Pilão, lendária banda amapaense. Ele já venceu muitos festivais de música com suas composições magníficas. Foi parceiro dos principais compositores do Amapá e publicou diversas obras literárias. Paraense de Óbidos, o Barba é amapaense de coração.

Em seus fantásticos escritos, o Barba poetiza, satiriza e relata as peculiaridades do Amapá, seja sobre amigos, histórias do Boêmios do Laguinho (sua escola de Samba do coração), do próprio bairro, homônimo a escola ou sobre o Bar do Abreu, reduto de intelectuais que adoram “molhar a palavra”.

Fernando deu o seu quinhão para a cultura amapaense, ele inventou e desinventou, musicou e escreveu, sempre esbanjando talento incontestável. Trocando em miúdos, Fernando Canto é PHoda! Não é á toa que costumo dizer que sou um grande fã dele. Feliz aniversário, mestre Barba!

Elton Tavares

segunda-feira, maio 28, 2012

Auto Confiança...

3

                                                                        Poucos possuem.

O Dia do Meio Ambiente

0

Governador do Amapá participa da abertura do Seminário “Programa Estadual da Castanha”

0


O governador do Amapá, Camilo Capiberibe, participou nesta segunda-feira, 28, na Escola de na Escola de Administração Pública (EAP), da abertura do Administração Pública (EAP), da abertura do Seminário "Programa Estadual da Castanha: Políticas Setoriais para uma Economia Verde". O evento, que encerrará na terça-feira, 29, tem o objetivo de debater e definir a política estadual dentro dos princípios da sustentabilidade ambiental, social e econômica para o extrativismo da castanha-do-brasil. Ao todo, seis mil extrativistas serão beneficiados com o avanço de políticas públicas para o setor.

O seminário é uma ação conjunta das secretarias de Estado da Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), do Meio Ambiente (Sema) e da Ciência e Tecnologia (Setec), além do Instituto Estadual de Florestas (IEF). O encontro conta com a participação dos gestores dos órgãos envolvidos e representantes de todas as associações de extrativistas que vivem da comercialização castanha-do-brasil.

Segundo o secretário da Indústria e Comércio, José Reinaldo Picanço, a programação nos dois dias do seminário consiste em palestras, projetos e experiências que auxiliarão na construção de propostas para a estruturação do Arranjo Produtivo Local (APL) da castanha-do-brasil no Amapá. Picanço explicou que, com o seminário, o governo do Estado fará uma intervenção positiva para o extrativismo de castanha no Amapá.

O titular da Seicom destacou que a iniciativa visa a melhoria de vida de cerca de seis mil castanheiros que trabalham na região Sul do Estado. “Discutiremos com o governo federal, órgãos estaduais, pesquisadores, extrativistas e profissionais ligados ao beneficiamento e comercialização da castanha-do-brasil ações positivas para o avanço do extrativismo da fruta. Queremos saber como é organizada a cadeia produtiva, quais os entraves e o que podemos fazer para resolvê-los”, explicou.

O governador enfatizou que ele e sua equipe de governo começaram a discutir políticas públicas para o desenvolvimento do extrativismo ainda em 2011. “Começamos este trabalho no ano passado. Contratamos consultoria especializada no assunto e desenvolvemos uma proposta para a cadeia de produtos da floresta. Hoje, debateremos um plano de desenvolvimento econômico da castanha. Nossa meta é estruturar e apoiar o extrativismo no Amapá. Faremos investimentos, capacitações e o que for necessário na estruturação das cooperativas. Isso gerará emprego e renda para o povo da floresta”, ponderou o governador.

José Reinaldo Picanço revelou que, por falta de apoio da gestão passada, muitas cooperativas de extrativistas pararam suas atividades.

Reconhecimento do Governo Federal

A representante do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Rocío Ruiz, afirmou que a articulação em prol da biodiversidade é positiva. Segundo ela, a partir de ações como esta, as cadeias produtivas avançaram no Acre e no Amazonas. “Este momento é muito importante para o Amapá, pois ele criará propostas para o futuro da cadeia produtiva. O resultado será uma resposta positiva para a sociedade civil. Parabéns ao governo do Estado pela iniciativa”, salientou Rocío Ruiz.

Boas expectativas

O representante dos extrativistas, Pedro Ramos, afirmou que os castanheiros estão otimistas com a iniciativa do Governo do Amapá. Ele agradeceu a vontade política e empenho do governador em desenvolver as cadeias produtivas do Estado.

Elton Tavares/Secom

Cooperativa era usada para desviar dinheiro da Assembleia Legislativa do Amapá

0

O diretor financeiro da Cooperativa de Transportes Leves e Pesado (Cootran), Sidney Jorge Gonçalves, confirmou ao Ministério Público Estadual do Amapá (MPE-AP) que seu nome foi falsificado no endosso a cheques pagos pela Assembleia Legislativa por supostos serviços prestados ao parlamento amapaense.

De acordo com documentos recolhidos pelo MPE na Operação Eclésia, entre janeiro a novembro de 2011 a Cootran, recebeu R$ 3.375.000 da Assembleia Legislativa. Sidney Gonçalves, no entanto, assegura que, além de não ter endossado nenhum cheque da Assembleia, não sabia da existência de nenhum contrato com a instituição.

Do montante pago pela Assembleia à Cootran em 2011, o MPE teve acesso a cinco cheques recebidos pela cooperativa que somam R$ 1,5 milhão. No verso dos documentos, que precisam ser endossados para o saque dos valores, aparece a assinatura de Sidney Jorge Gonçalves.

No entanto, Sidney Gonçalves enfatizou que nunca assinou nenhum cheque emitido pela Assembleia. Após tomar o depoimento do diretor financeiro, os promotores que investigam o caso afirmaram que as assinaturas são bem diferentes.

Apesar das disparidades nas assinaturas, um dos cheques, no valor de R$ 446.000, foi sacado sem problemas no dia 22 de novembro de 2011.

"Colocaram o meu nome no cheque, com a assinatura que eu verifiquei e não é minha, falsificaram a minha assinatura em alguns cheques e sacaram o dinheiro com essa assinatura. No caso, o banco não conferiu a assinatura, não verificou, pagou o cheque e eu estou aqui para prestar esclarecimentos a respeito dessa situação que está envolvendo o meu nome", disse Sidney Gonçalves aos promotores.


Assista a matéria do Bom Dia Brasil, da TV Globo, sobre isso no endereço: 


Os 11 mandamentos de Henry Miller

1

No início dos anos 1930, quando ele escreveu o que se tornaria seu primeiro romance, o superinfluente “Tropico de Câncer”, Henry Miller escreveu uma lista de 11 mandamentos, a serem seguidos por ele mesmo. Ei-los: 

1 — Trabalhe numa coisa de cada vez até terminar

2 — Não inicie novos livros, não adicione novo material para a “Primavera Negra”

3 — Não seja nervoso. Trabalhe calma, alegre e freneticamente em tudo o que estiver fazendo

4 — Trabalhe de acordo com o programa, e não de acordo com o humor. Pare na hora prevista!

5 — Quando você não puder criar, você pode trabalhar.

6 — Cultive um pouco cada dia, em vez de adicionar novos fertilizantes.

7 — Mantenha-se humano! Veja pessoas, vá a lugares, beba, se sentir vontade.

8 — Não seja um burro de carga! Trabalhe apenas se com prazer.

9 — Descarte o programa se sentir que deve, mas volte a ele no dia seguinte. Concentre-se. Restrinja (foque). Exclua.

10 — Esqueça os livros que quer escrever. Pense apenas no que está escrevendo.

11— Escreva primeiro e sempre. Pintura, música, amigos, cinema, tudo isso vem depois.

 Traduzido do livro: "Henry Miller on Writing". 

* Contribuiçãodo amigo André Mont'Alverne. 

Simetria

0

Clichês de novela que já encheram

0

Tem alguns clichês de novelas que, sinceramente, acho que nem a mais empedernida noveleira de plantão aguenta mais - eu mesmo, que não sou fã de novela e não as assisto com frequência, já estou farto de certas situações novelescas. Aqui vão apenas algumas delas:

1) Sempre alguém passa uma procuração com poderes irrestritos para o(a) pior canalha da novela. E perde tudo pra ele(a);

2) Sempre tem alguém ouvindo os segredos mais escabrosos por uma porta entreaberta - sim, os segredos mais escabrosos são contados sem a menor cautela, sem que ninguém verifique pelo menos se as portas estão fechadas;

3) Desde a personagem Sarita Vitti, interpretada pelo ator Floriano Peixoto, em 1995, na novela Explode Coração, toda novela tem um homem vestido de mulher, seja gay ou não. Aliás, já há vários anos que toda novela tem um gay afetado, caricato e desmunhecadíssimo, mas os casais gays normais nunca se beijam; 

4) Sempre tem um casamento no final (do par romântico, que só fica junto no último capítulo...); uma reviravolta monumental no meio ou um homicídio misterioso sempre que a audiência está em baixa - ou quando precisam tirar um personagem que não vingou;

5) A quantidade de homens que transam bêbados (sempre com a personagem mau-caráter e golpista da barriga) e nunca lembram de nada depois é espantosa;

6) A mocinha só tem vida feliz no último capítulo. Até lá ela vai sofrer feito uma condenada, nada dará certo pra ela, mas ela vai atravessar a novela inteira com um sorriso plastificado na cara;

7) O vilão (ou a vilã) morre, foge, enlouquece ou vai preso(a). Sempre, inapelavelmente.

8) Advogados dizem barbaridades sobre Direito, médicos fazem tratamentos que nunca dariam certo na vida real e engenheiros nunca estão com a roupa suja ou amassada. Aliás, quase nunca alguém é visto trabalhando de verdade, só os pobres;

Enfim, novela é sempre tudo igual, só muda o nome. O roteiro é sempre o mesmo, e se tem quem assista é  por pura teimosia.